Skip to main content

Article Category

Article available in the folowing languages:

Trabalhar na recuperação dos ecossistemas marinhos nos mares europeus e mais além

Numa vista de satélite, o «azul» do nosso planeta azul lembra-nos da singularidade da água abundante da nossa casa terrestre. Para manter os nossos mares e oceanos saudáveis serão criadas ações-piloto multirregionais e multi-habitat, iniciativas de divulgação e um Business Club para apoiar a adoção de soluções baseadas na natureza (SbN).

Digital Economy
Climate Change and Environment
Society

Os impactos claramente prejudiciais da atividade humana nos ecossistemas terrestres têm contribuído para o desenvolvimento pujante de investigação, de ações de divulgação e para a elaboração de políticas relacionadas com a sua preservação e recuperação. Os ecossistemas marinhos e a sua degradação são muito menos óbvios para o cidadão comum. Contudo, os ecossistemas marinhos europeus estão a perder-se e a degradar-se a um ritmo alarmante devido a uma combinação de sobre-exploração, poluição, espécies invasoras e danos físicos, juntamente com um clima em mudança. A recuperação do ecossistema, quando combinada com uma redução das pressões, pode ser uma SbN eficiente e eficaz para o problema. O projeto MERCES, financiado pela União Europeia (UE), estimulou o emergente campo das SbN para a resiliência do ecossistema marinho, que é o foco de várias iniciativas internacionais e europeias, como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e a nova Estratégia de Biodiversidade da UE para 2030.

Não há dois iguais

Os ecossistemas marinhos, tal como os seus homólogos terrestres, revelam uma enorme diversidade. O MERCES explorou o potencial das ações de recuperação em fundos marinhos moles pouco profundos e em fundos marinhos duros, incluindo os habitats mesofóticos e os habitats de profundidade, na Europa, da Noruega à Turquia. Segundo o Coordenador do Projeto, Roberto Danovaro, e a Diretora Científica do Projeto, Cristina Gambi: «Concentrámo-nos nos habitats europeus mais frágeis e vulneráveis, incluindo prados de ervas marinhas, mantos de macroalgas e florestas de laminárias, afloramentos de coral e corais de água fria, desfiladeiros, montes submarinos e fiordes em 25 áreas-piloto diferentes. Foram testados mais de 20 protocolos de recuperação nesta inédita abordagem multirregional e multi-habitat, com o objetivo de apoiar a expansão da recuperação marinha em toda a Europa.»

Benéfico para o ambiente, as sociedades e as empresas

As ações que promovem e inspiram iniciativas de política e fornecem quadros legais deverão ajudar a colocar a atividade da recuperação na agenda da biodiversidade e das SbN. Danovaro afirma: «O MERCES envolveu partes interessadas públicas, privadas e industriais em novas oportunidades de crescimento azul. O Business Club do MERCES conta com mais de 350 membros que representam todas as partes interessadas relevantes, realçando o interesse crescente nas SbN para a recuperação dos ecossistemas marinhos. Fornece ferramentas como boletins informativos centrados na indústria e séries de webinários que destacam as oportunidades económicas e comerciais da recuperação marinha.» Os webinários MERCES Business contaram com mais de 900 visualizações em todo o mundo apenas no mês março de 2020 e foram incluídos no repositório de webinários da Society for Ecological Restoration — Sociedade para a Restauração Ecológica. A participação do público tem sido uma prioridade do MERCES. Gambi continua: «Para além dos seminários e das Noites dos Investigadores Europeus, organizámos eventos sobre ciência cidadã e literacia oceânica para jovens estudantes, assim como ações de formação e cursos de verão para testar vários protocolos de recuperação.» O consórcio já produziu mais de 60 publicações, incluindo ensaios em revistas líderes a nível mundial, como a Science e a Nature Ecology & Evolution, que fomentam o debate em torno das várias implicações da recuperação marinha em termos de políticas, economia e bem-estar.

Avançar no meio submarino

O MERCES provou que a recuperação ecológica marinha não só é viável como deve ser encorajada no contexto de políticas, incentivos económicos e novas oportunidades de emprego, e identificou claramente as metodologias para o desenvolvimento de uma atividade de recuperação. Os resultados apoiam o Pacto Ecológico Europeu e a sua nova Estratégia de Biodiversidade. Globalmente, contribuem para as iniciativas da Organização das Nações Unidas «Década para a Recuperação dos Ecossistemas» e «Década das Ciências Oceânicas para o Desenvolvimento Sustentável», ambas com início marcado para 2021. Danovaro e Gambi concluem: «O projeto MERCES abriu novas fronteiras para a recuperação ecológica dos ecossistemas marinhos na Europa e mais além, para ajudar e apoiar a transição das nossas sociedades para um futuro sustentável.» O mapa da história, que inclui fotografias subaquáticas deslumbrantes, deve inspirar-nos a todos a abraçar o importante desafio da recuperação dos ecossistemas marinhos.

Keywords

MERCES, recuperação, ecossistema, marinho, habitat, mar, biodiversidade, ecológico, corais de água fria, prados de ervas marinhas, macroalgas, laminárias, Sociedade para a Recuperação Ecológica, soluções baseadas na natureza (SbN), Pacto Ecológico Europeu

Discover other articles in the same domain of application